sábado, 19 de junho de 2010

Mamãe é referência na leitura

Mãe carrega o filho durante nove meses na barriga, cuida-o, alimenta-o, educa-o e é também a principal incentivadora da leitura nos lares. A conclusão é da pesquisa encomendada pelo Instituto Pró-Livro e feita pelo Ibope, chamada Retratos da Leitura no Brasil.

Segundo os números, uma em cada três pessoas entrevistadas tem lembranças de a mãe lendo algum livro e 49% delas creditam ao afeto materno o grande incentivador no processo de ler por prazer. Entre as crianças de cinco a 10 anos, 73% citam as mães como quem mais as estimularam a ler.

Outra pesquisa, divulgada durante a Bienal do Livro, no Rio, busca detalhar a importância do livro no orçamento familiar. O estudo foi realizado com base na Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE, divulgado em 2007. Os dados permitiram traçar o perfil do mercado consumidor, por nível de renda, escolaridade, local de compra e outras variáveis importantes. O único detalhe desabonador é que as informações obtidas não são recentes – foram coletadas ao longo de 12 meses (julho de 2002 a junho de 2003), em uma amostragem de aproximadamente 50 mil domicílios, distribuídos em áreas urbanas e rurais de todos os Estados.

Encomendada por oito entidades ligadas ao mercado editorial e coordenada pelo pesquisador titular do IBGE Kaizô Iwakami Beltrão, a pesquisa O Livro no Orçamento Familiar mostra que gastos anuais com o conjunto de itens de material de leitura foram de R$ 5,471 bilhões, somando-se o total de despesas com revistas, jornais, livros didáticos e não-didáticos, fotocópias, livros religiosos, técnicos, dicionários, apostilas e bibliotecas.

Ao se dissecar esse número, descobre-se que o gasto médio anual com revistas, por família, chega a R$ 42. Com jornais, esse dado é de R$ 17, enquanto as despesas com livros não-didáticos é quase quatro vezes menor – apenas R$ 11 por ano, ou seja, apenas 0,05% da renda familiar.

A pesquisa mostra ainda que é pequena a porcentagem da população brasileira que adquire livros não-didáticos: 7,47%. Os números poderão ser checados no próximo ano, quando o IBGE terminar de tabular a nova pesquisa, agora compreendendo o período entre julho de 2008 e junho deste ano.
Influência feminina

A leitura torna a viagem ao imaginário mais acessível, libera sentimentos, paixões, amplia a visão e mostra que os sonhos auxiliam na formação da realidade. Na difusão do hábito de ler, as mulheres têm papel primordial. De acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, os números revelam quem influencia mais na hora de ler:

- Mãe (ou responsável mulher) 49%
- Professora 33%
- Pai (ou responsável homem) 30%
- Ninguém 14%

O que você pode fazer

- Estabeleça uma rotina de leitura com seu filho. Conte uma história, convide-o a folhear livrinhos e ver ilustrações.
- Seja exemplo sempre. Deixe seu filho ver que você está lendo e que gosta do hábito da leitura.
- Na hora de escolher um passeio, proponha visitas a livrarias, museus e bibliotecas. O contato com as letras pode estimular o interesse pela leitura.
- Opte por livros na hora de comprar presentes para as crianças. Convide, inclusive, seu filho a escolhê-los.

Fonte: Zero Hora

Um comentário:

  1. Eliseu da Cunha, RS27 de dezembro de 2011 08:48

    Adorei este artigo.
    Vai ajudar muito na pesquisa que estou fazendo sobre leitura.
    obrigado.
    Eliseu Cunha, RS

    ResponderExcluir