sábado, 7 de maio de 2016

Amor de mãe: uma história sobre carinho, dedicação e livros

“Todas as noites, antes de dormir, apesar do cansaço por ter trabalhado o dia todo, ela me contava histórias”. A escritora Sônia Barros, uma das colaboradoras no projeto Leia para uma criança, relata como sua mãe adotiva contribuiu para o despertar do interesse pela leitura ;-)

Por Sônia Barros
Este depoimento é uma homenagem à minha mãe adotiva, mulher especial que se fez ponte entre mim e o mundo maravilhoso dos livros. Além de leitora apaixonada, eu acabei me tornando escritora. E quando me perguntam se alguém me influenciou nessa escolha profissional, a resposta sempre causa espanto e emoção.
Minha história pessoal é prova viva de que ler para uma criança pode, sim, mudar o mundo. O meu foi totalmente transformado e iluminado por esse ato de amor, ritual inesquecível que marcou minha infância e minha memória afetiva.
Fui adotada aos três meses de idade por uma mulher solteira, que se fez minha família. Além de me salvar a vida, foi essa mulher — que mal frequentou escola e trabalhou a vida toda como empregada doméstica — quem plantou em mim a semente do amor pelos livros.
Todas as noites, antes de dormir, apesar do cansaço por ter trabalhado o dia todo, ela me contava histórias. Algumas sabidas de cor, da memória; outras, lidas de um livro; outras, ainda, inventadas. Muitas vezes, no meio de uma história ou poema, minha mãe acabava pegando no sono. Mas eu a chamava e ela, então, novamente me oferecia o céu de seus olhos e de sua voz.
E não era apenas à noite que ela me encantava com histórias, poesia e cantigas. Durante o dia, também, enquanto lavava, cozinhava, passava… E ainda mais: nas horas de folga do trabalho, me levava à Biblioteca Municipal de Santa Bárbara d´Oeste, cidade do interior de São Paulo, onde cresci e moro até hoje.
Mesmo sem ter livros meus em casa, pois não podíamos comprar, havia sempre um ou dois emprestados da biblioteca. Apesar da dificuldade em decifrar as palavras, minha mãe lia para mim. Lembro-me, principalmente, dos livros de poesia. Foi assim que conheci alguns dos grandes poetas que me acompanham até hoje: Cecília Meireles, Manuel Bandeira, José Paulo Paes…
Aos oito anos de idade ganhei um prêmio por ser a criança que mais retirava livros da biblioteca. E então pude levar para casa um livro só meu, que não precisaria devolver depois. Foi como ganhar um tesouro.
Nessa época, já alfabetizada, eu também lia para minha mãe. E ela sempre me ouvia com atenção, valorizando aquele momento tão especial. Seu olhar era de afeto e estímulo!
O livro era meu brinquedo preferido, caixa-surpresa que me fazia sonhar. Hoje, sou eu quem confecciono caixa-surpresa para que outras crianças possam sonhar. E ofereço ao meu filho o mesmo presente precioso que recebi de minha mãe, essa mulher que não me gerou, mas amparou-me na queda e cultivou minhas asas.
Fonte: Itaú

terça-feira, 29 de março de 2016

Projeto "Leitura digital, leitura sem fronteiras"

Divulgando... As informações abaixo foram repassadas pelo Jerson Pita

Estou divulgando um projeto de estímulo da leitura e escrita digital, voltado para crianças e jovens em cerca de 20 bibliotecas comunitárias do Rio de Janeiro. As oficinas serão ministradas no período de 28 de março a 28 de abril, sob coordenação de Benita Prieto – contadora de histórias, especialista em literatura infanto-juvenil e desde 2011 realizando projetos de literatura e escrita em meios digitais. Ainda há algumas vagas disponíveis e as informações poderão ser obtidas em 9 9621-5851 ou contato@codexclube.com 

-------------------------------------------------------------


 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura apresentam:

PROJETO “LEITURA DIGITAL, LEITURA SEM FRONTEIRAS” INCENTIVA EM CRIANÇAS E JOVENS O PRAZER DA LEITURA EM MEIOS DIGITAIS 

Há quem diga que a evolução tecnológica, os tablets e smartphones afastam os jovens da literatura e até mesmo do exercício da escrita de textos literários. Diante de um dispositivo móvel, o primeiro impulso é navegar por uma rede social ou algum site de vídeo/entretenimento – atividades que nem de longe despertam na turma em idade escolar algum estímulo de exploração para além daquele “quadrado virtual”. 

Quando constatou esse abismo, Benita Prieto, que é contadora de histórias, especialista em Literatura Infantil, Juvenil e em Leitura, buscou ferramentas, estudou plataformas, aplicativos e hoje está à frente do projeto “Leitura digital, Leitura sem fronteiras”, iniciativa que conta com patrocínio do Programa de fomento à cultura - Viva a Cultura! da Prefeitura do Rio de Janeiro / Secretaria Municipal de Cultura e percorrerá as bibliotecas comunitárias do Lajão do Tabajaras,  Atelier das Palavras do Meninas e Mulheres do Morro da Mangueira, Biblioteca Wagner Vinício de Rio das Pedras e as Bibliotecas Parque da Rocinha, Manguinhos e Estadual, no período de 28 de março a 28 de abril, incentivando o prazer da leitura em meios digitais.

“A oficina estimula as múltiplas possibilidades de leitura e escrita de textos literários em dispositivos digitais com o uso de e-readers e tablets. Partindo da experiência de cada um com o mundo digital e com a leitura, vamos entender os novos suportes que a evolução tecnológica nos apresenta e assim desconstruir mitos e medos” explica Benita, idealizadora e coordenadora da ação.  

O projeto “Leitura digital, Leitura sem fronteiras” é voltado para crianças e jovens atendidos pelas bibliotecas comunitárias, além de mediadores de leitura que trabalhem em projetos sociais.  Durante o projeto, os participantes terão a oportunidade de vivenciar e aprender sobre literatura digital através de atividades como: dinâmicas, diferenças entre os diversos equipamentos digitais atuais, games literários e atividades de leitura e escrita usando os equipamentos digitais, entre outras. 

Sobre Benita Prieto

Uma artista da palavra que estudou Engenharia Eletrônica, Teatro e fez especializações em Literatura Infantil e Juvenil e em Leitura: Teoria e Práticas. Trabalha como Contadora de Histórias do Grupo Morandubetá, desde 1991, com mais de 2000 apresentações por todo o Brasil e vários países. Formou mais de 20 grupos de contadores de histórias e agentes de leitura. Como Produtora Cultural criou feiras de livros, visitas guiadas a espaços culturais, espetáculos de narração de histórias, eventos de literatura, podendo destacar o Simpósio Internacional de Contadores de Histórias promovido pelo SESC Rio, desde 2002. Também é escritora. Dedica-se a promoção de leitura no meio digital desde 2011. Criadora do projeto Codex Clube (www.codexclube.com). Ganhou fomento da Prefeitura para as oficinas Leitura e Hiperleitura no mundo digital em 2015 e Leitura Digital, Leitura sem Fronteiras em 2016..


INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:
Assessoria de Imprensa: Target Assessoria de Comunicação
Márcia Vilella, Letícia Reitberguer e Jerson Pita
Tels: 21 9 8158 9692 | 2284 2475
 
Descrição: Descrição: assinatura-target2
Jerson Pita
Target Assessoria de Comunicação
21 2234 9621 | 2284 2475 | 9 7965 4313
www.target.inf.br
 

segunda-feira, 28 de março de 2016

Estudo da Universidade de Roma prova que ler deixa as pessoas mais felizes

Rodrigo Casarin

roma3
É senso comum dizer que ler faz bem, que proporciona aos leitores inúmeros benefícios intangíveis. No entanto, é difícil encontrarmos estudos que comprovem essas teses. Ou era difícil. Pesquisadores da Universidade de Roma 3, na Itália, realizaram um trabalho com cerca de 1100 pessoas para encontras a resposta para duas questões: “Quem lê livros é mais feliz do que quem não lê?” e “A leitura melhora o nosso bem-estar”? A conclusão, apresentada no final de 2015 no artigo “The Happiness of Reading”, é bastante clara: os leitores são mais felizes e encaram a vida de maneira mais positiva que os não leitores.
A pesquisa é dividida em tópicos e o primeiro deles aponta que quem lê é mais feliz do que quem não lê. Para chegar a tal conclusão, utilizaram a escala proposta pelo sociólogo holandês Ruut Veenhoven, que mensura o grau de felicidade das pessoas entre 1 e 10. Os leitores tiveram pontuação 7,44, enquanto os não leitores, 7,21, diferença tida como significativa pelos pesquisadores. Como uma outra forma de mensurar a felicidade, também usaram a escala de Cantril – conhecida como a de Bem-estar Subjetivo -, na qual os leitores ficaram com 7,12 e os não leitores, 6,29, em uma métrica igual a de Veenhoven.
Já com a escala de Diener e Biswas, que vai de 6 a 30, os pesquisadores puderam analisar a diferença na maneira que leitores e não leitores vivenciam sensações positivas e negativas. Quem lê tem uma percepção maior de emoções como felicidade e contentamento (21,69 X 20,93), enquanto quem não lê sente mais sensações como tristeza e fúria (17,47 X 16,48).
Por fim, os acadêmicos também constataram que os leitores são pessoas mais satisfeitas com a maneira que usam seu tempo livre, que a leitura é o que há de mais importante para essa gente nas horas de ócio e que, no entanto, ler é apenas a quarta atividade que mais realizam enquanto não estão trabalhando, ficando atrás de praticar esportes, ouvir música e ir a eventos culturais como exposições, teatro ou cinema.
Ou seja, ler realmente nos faz humanos melhores.
Fonte: UOL